2 de mar de 2015

A lembrança de uma criança

Todos os dias
A mãe e a filha
Pegam ônibus.

Aquela criancinha sonolenta
Aprecia o céu negro, estrelado.
Sua diversão, na parada
É imaginar formas ao ligar as estrelas.

Já no ônibus,
As duas vão em pé,
A viagem é entediante para a criança.

Talvez pelo tédio
A criança veja o que ninguém vê,
A criança se encanta
Com o que ninguém se encanta.

Um céu se transformando,
Colorindo-se,
A escuridão sendo expulsa pelas cores.

Ela se encanta com aquela coisa tão simples
Mas ao mesmo tempo tão grande.
Com aquilo que é corriqueiro
Mas que aos seus olhos parece tão extraordinário.

A simples mudança
Da noite para o dia.
Mostra-se de modo tão belo
Tão perfeito.

Parece um luta,
Na mente da garotinha.
Uma luta bela,
Que a manhã ganha sem esforço.

E assim a criança se encanta
Com o que os adultos
Não tem tempo
Nem mesmo para apreciarem.

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores